August 31, 2008

title tk #7

Preparem as carteiras que a rentrée está aí!Growing - "All the Way" (08.09.2008, The Social Registry) Tracklist:
1. "Green Flag"
2. "Wrong Ride"
3. "Rave Pie Only"
4. "Innit"
5. "Lens Around"
6. "Reconstruction"
MySpace


Mogwai - "Batcat" (08.09.2008, Wall of Sound/Matador)
Tracklist:
1. "Batcat"
2. "Stupid Prick Gets Chased by the Police and Loses His Slut Girlfriend"
3. "Devil Rides"
MySpace


AIDS Wolf - "Cities of Glass" (09.09.2008, Skin Graft/Lovepump United)
Tracklist:
1. "M.T.I."
2. "Tied-Up in Paper"
3. "Cities of Glass"
4. "Ch-ch-ch-chatter"
5. "Down, Holy Ground"
6. "Gnarly Tooth"
7. "General _ _"
8. "Sacrificial Drone"
9. "Relevant Issues"
10. "So Many Plastic Pearls"
MySpace


Young Widows - "Old Wounds" (09.09.2008, Temporary Residence Ltd.)
Tracklist:
1. "Took a Turn"
2. "Old Skin"
3. "Mr. No Harm"
4. "The Guitar"
5. "Lucky and Hardheaded"
6. "21st Century Invention"
7. "The Heat Is Here"
8. "Delay Your Pressure"
9. "Let Him Be"
10. "Feelers"
11. "Swamped and Agitated"
MySpace
Download "Old Skin"

Conifer - "Crown Fire" (23.09.2008, Important)
Tracklist:
1. "Surface Fire"
2. "Cruciform Empennage"
3. "A History of Dissapoinment"
4. "Song for Krom"
5. "Breathe Hold"
6. "Into the Gauntlet"
7. "Crown Fire"
MySpace


TV on the Radio - "Dear Science" (23.09.2008, Geffen)
Tracklist:
1. "Halfway Home"
2. "Crying"
3. "Dancing Choose"
4. "Stork & Owl"
5. "Golden Age"
6. "Family Tree"
7. "Red Dress"
8. "Love Dog"
9. "Shout Me Out"
10. "DLZ"
11. "Lover's Day"
MySpace
Download "Golden Age"

Dungen - "4" (29.09.2008, Subliminal Sounds/Kemado)
Tracklist:
1. "Sätt att se"
2. "Målerås finest"
3. "Det tar tid"
4. "Samtidigt 1"
5. "Ingenting är sig likt"
6. "Fredag"
7. "Finns det någon möjlighet"
8. "Minda damer och fasaner"
9. "Samtidigt 2"
10. "Bandhagen"
MySpace


Department of Eagles - "In Ear Park" (06.10.2008, 4AD)
Tracklist:
1. "In Ear Park"
2. "No One Does It"
3. "Phantom Other"
4. "Teenagers"
5. "Around the Bay"
6. "Herring Bone"
7. "Classical Records"
8. "Waves of Rye"
9. "Interlude"
10. "Floating on the Lehigh"
11. "Balmy Night"
MySpace
Download "In Ear Park"

Deerhoof - "Offend Maggie" (07.10.2008, Kill Rock Stars)
Tracklist:
Act 1:
1. "Offend Maggie"
2. "Fresh Born"
3. "Chandelier Searchlight"
4. "The Tears and Music of Love"
5. "Buck and Judy"
6. "Don't Get Born"
7. "My Purple Past"
Act 2:
8. "Basket Ball Get Your Groove Back"
9. "Numina"
10. "This Is God Speaking"
11. "Eaguru Guru"
12. "Snoopy Waves"
13. "Jagged Fruit"
14. "Family of Others"
MySpace


Grails - "Doomsdayer's Holiday" (07.10.2008, Temporary Residence Ltd.)
Tracklist:
1. "Doomsdayer's Holiday"
2. "Reincarnation Blues"
3. "The Natural Man"
4. "Immediate Mate"
5. "Predestination Blues"
6. "X-Contaminations"
7. "Acid Rain"
MySpace
Download "Reincarnation Blues"


An Albatross - "The An Albatross Family Album" (21.10.2008, Eyeball)
Tracklist:
1. Neon Guru
2. ...And Now Emerges the Silver Pilgrim
3. The Hymn of the Angel People
4. The Psychonaut & the Rustbelt
5. Starving on Rabbit Meat
6. A Convivial Feast of the Peace Beast
7. Floodgates Released
8. The Electric Proletariat Rides a Velvet Chariot
9. 3000 Light Years by Way of the Spacehawk
MySpace

August 28, 2008

clássicos modernos #7

Drive Like Jehu - "Drive Like Jehu" (1991, Cargo/Headhunter)

Permanece uma questão em aberto entre os académicos qual dos dois registos dos Drive Like Jehu será superior, se este álbum homónimo, se o disco de 1994, "Yank Crime".
Eu cá que nunca liguei muito aos académicos prefiro guiar-me pel' 'A lista'. Se 'A lista' me recomenda este "Drive Like Jehu" em detrimento de "Yank Crime", então eu tenho que confiar nela... Porque ao longo de todos estes anos, 'A lista' nunca me falhou (um dia ainda vos hei-de falar dela).
Debates e purismos à parte, o facto é que, ainda hoje, os Drive Like Jehu (banda que contava nas suas fileiras com o luso-descende John Reis, que veio a formar os Rocket From The Crypt e, posteriormente, os Hot Snakes - nos quais se voltou a juntar a Rick Froberg, seu companheiro dos Jehu) continuam a ser um marco na história do post-hardcore e suas ramificações.

a vida... esse jogo maravilhoso!

Harvey Milk - "Life... The Best Game in Town" (2008, Hydra Head)

Pergunto-me, como será possível os Harvey Milk terem passado tanto tempo sem serem considerados the best band in town? À face de um disco deste calibre, que mais não é do que o culminar duma já longa e profícua carreira, realmente não se percebe.
"Life..." é, nada mais nada menos, do que um manual. Um manual de sobrevivência que toda e qualquer banda no espectro do rock alternativo (mais ou menos pesado, porque mesmo sendo um disco essencialmente pesado, este transcende convenções, classificações ou qualquer outro tipo de barreiras) que pretenda manter incólume a sua integridade deveria ter em consideração. O mesmo se aplica aos melómanos.
Está tudo aqui: a atitude, a postura despreocupada e descontraída, o humor, o prazer de fazer música pela música em si... E a própria música em si, a criatividade, a execução irrepreensível, a simbiose perfeita na alternância entre os momentos mais contemplativos e os mais viscerais, entre o lento e o rápido, entre o doom, o sludge, o trash, o speed, o rock mais experimental ou mais convencional, e tudo o mais que os Harvey Milk se lembrarem de juntar à mistura.
Não haja dúvida, life... the best record in town!

Serve ainda eu falar deste disco como desculpa para reproduzir aqui um excerto do excelente artigo acerca de uma banda que finalmente começa a ter o reconhecimento que merece (e por mim falo, uma vez que só tomei conhecimento da existência dos Harvey Milk há uns dois ou três meses atrás), e que foi publicado originalmente na última Skyscraper:

«If you're going to take another human being's name and use it to name your band, it's unwise to make that decision lightly. Many a hardcore band has taken the name of a brutal, violent individual as a means of representing their brutal and violent music, while a number of indie bands have used classic film stars or recent celebrities to create an immediate nostalgia or silly aesthetic. It makes only perfect sense, then, that a band so extreme, so unusual, so unclassifiable as to only fit under the generic term "heavy rock" chose to take the name of a slain politician and gay activist as their own. Welcome to Harvey Milk.

Beginning in the mid-nineties, a time when noise, experimentalism, and genre-fuckery were not the same welcomed elements in underground rock music as they are today, Harvey Milk were steadfast in their style and pulled no punches. They made the slowest songs even slower, the heaviest riffs intolerably crushing, the cock-rock even more over-the-top. As history has shown, toiling away at something truly unique and fascinating can be generally met with disinterest or even disgust, something that Harvey Milk surely faced throughout those early years. It's quite possible the world just wasn't ready for Harvey Milk, although those lucky enough to find copies of their first three albums - 1995's My Love Is Higher Than Your Assessment of What My Love Could Be (Yesha), 1997's Courtesy and Good Will Toward Men (Reproductive), and 1998's The Pleaser (Reproductive) - generally held on to them, spreading the word to the few souls willing to wrap their heads around the sounds within.

A few years passed and Harvey Milk disbanded with little fanfare. Thanks to word of mouth, mixtapes, and, in more recent times, blog posts, shared downloads, and various reissue and posthumous releases (courtesy of Tumult, Relapse, Escape Artist, and Chunklet), however, the interest in Harvey Milk has grown wildly throughout the current millennium. Even still, it can be a bit of a shock to listen to Harvey Milk for the first time, hearing just how raw, grotesque, and hilarious a heavy rock band can be, compiling a variety of disparate influences into one fully-refined whole. Keeping in mind the time and place (the college rock haven of Athens, Georgia) that the band was born, it's really quite perplexing that this trio - guitarist/vocalist Creston Spiers, bassist Steven Tanner, and drummer Kyle Spence (who replaces founding member and on-again/off-again drummer Paul Trudeau) - ever existed at all. (The group has recently expanded into a quartet with the addition of Joe Preston, of Earth, The Melvins and Thrones fame.) Mix severe rock sounds and mysterious surroundings and you've got a cult following in no time.

It was only a matter of time then that Harvey Milk dusted off their instruments and put together one of the finest albums of 2006, Special Wishes (Troubleman/Megablade), a surprise comeback that showed no signs of weariness, only a fine-tuned dark humor and years of experience with which to reflect. Since then, they have been performing live, re-releasing their early singles on a collection CD (The Singles), and early albums on both CD and vinyl, as well as recently releasing Life... The Best Game in Town on Hydra Head, already being touted as one of the best albums of 2008 by a variety of discerning metalheads, shut-ins, and garage freaks. (...)»

Matthew Kosloff (in Skyscraper #28)

August 27, 2008

something to write home about #21

Grand Ole Party

Voltem atrás no tempo, à altura em que era impossível não gostar dos The White Stripes. Agora imaginem que os White Stripes continuavam a fazer aquele rock & roll aguerrido de então. Imaginem ainda uma versão feminina do Jack White, mais bluesy, com uma pitada de Karen O e um quê de Janis Joplin, chamada Kristin Gundred, e que para além de cantar, faz as vezes da Meg White na bateria. Juntem-lhe um John Paul Labno na guitarra e adicionem um elemento extra: um Michael Krechnyak no baixo. Et voilà! Eis o trio californiano Grand Ole Party.

MySpace

August 26, 2008

10 melhores... canções com cordas

Isto é, para além de guitarras e baixos...

10. The Intima - "New Roots"
9. The Raincoats - "No Side to Fall In"
8. Architecture in Helsinki - "In Case We Die (Parts 1-4)"
7. The Faint - "Desperate Guys"
6. Kayo Dot - "Gemini Becoming the Tripod"
5. Joanna Newsom - "Sprout and the Bean"
4. Modest Mouse - "Parting of the Sensory"
3. Cursive - "A Gentleman Caller"
2. Oneida - "The Eiger"
1. Björk - "Jóga"

Download .zip

Disclaimer: Estas músicas foram por mim convertidas em formato .m4a, com recurso ao iTunes, a partir dos CDs originais. Pretendem ser apenas uma pequena amostra do trabalho destes artistas. Se gostarem do que ouvem, comprem o(s) disco(s).
Não pretendo com isto promover o download ilegal, mas como não tive qualquer autorização para partilhar estes ficheiros, se alguém se sentir lesado com este acto, por favor comunique-mo, que eu imediatamente os removerei.

August 25, 2008

i really, really wanted to believe...

"The X Files: I Want to Believe", de Chris Carter

Foi há precisamente duas semanas que o meu pequeno coraçãozinho nerd se quebrou. E se escrevo nestes termos, não o faço de ânimo leve. Eu, que pautei a minha adolescência e juventude pelo ritmo semanal dos episódios dos X Files nas noites da TVI (quando ainda se podia chamar à TVI um canal de televisão e não uma aberração), que me lembro do primeiro episódio da primeira temporada como se fosse hoje. Eu que, até há bem pouco tempo, apenas me dignava a considerar três intocáveis: Star Wars, X-Files e Stargate.
Até sou capaz de admitir que as últimas temporadas da série deixaram muito a desejar. Mas aquela misticazinha do desconhecido, do the truth is out there (somewhere) não me deixava despregar os olhos do ecrã. E, como é óbvio, ao saber que um novo filme estava na calha, as expectativas logo dispararam para a estratosfera.
Pois bem, é com grande pesar que me vejo forçada a afirmar que foi tudo em vão. Tanta expectativa, tanta fé na cinética Mulder-Scully para nada... Para nada não. Para me deparar com a monstruosidade que é este "The X Files: I Want to Believe".
Não há aqui uma única conspiraçãozinha governamental, um único alienígena (amigável ou não), um único jovem liceal com uma epistaxe vistosa, um homem-da-bílis, um shapeshifter ou um mísero lagarto-humanóide-mutante... Nem sequer um Cancer-Man que regresse dos mortos para salvar a honra do convento! Apenas a história mal-amanhada e desinspirada de um padre pedófilo (chamar a isto um cliché já é, em si, um cliché) que busca, desesperada e pateticamente, a redenção e que, nos entretantos, vai recebendo umas visões, que ele acredita serem enviadas pelo altíssimo - numa fantochada muito born-again christian para americano ver -, que o conduzem, bem como ao FBI em peso, a um médico/investigador/psicopata cuja grande contribuição para a ciência é ter criado a figura Lego humana e um cão com duas cabeças (numa uma única linha: por vezes, o inverosímil, de tão ridículo e rebuscado que é, acaba mesmo por se tornar irreal)... Sim, é só isto. Já podem ir embora... Ah, o Mulder e a Scully dão, não um, mais sim dois beijos, o que é aquele (anti-)clímax que aniquila por completo grande parte do encanto xfiliano (ainda por cima, no contexto da ignomínia que é esta película) e deita por terra toda e qualquer hipótese de voltar a ressuscitar condignamente esta saga num futuro mais ou menos distante, para lhe dar um final honroso, ao invés deste desconchavo.
Posto isto, resta-me apenas dizer que o Sr. Carter devia pensar duas vezes e ter um pingo de vergonha na cara antes de voltar a destruir os mitos pueris de alguém de uma forma tão vil. Tenho dito.

braços e caudas e cobras e pombas e outras maravilhas do mundo natural

These Arms Are Snakes - "Tail, Swallower & Dove" (07.10.2008, Suicide Squeeze)

Os These Arms Are Snakes (TAAS) têm casa nova, a Suicide Squeeze. E como uma casa nova pede um disco novo, também já há sucessor para "Easter". Chama-se "Tail, Swallower & Dove" e verá a luz do dia a 7 de Outubro deste ano.
Como já se tem vindo a tornar um hábito nestes últimos tempos, o leak já por aí anda a circular. Uma primeira audição deixou-me completamente siderada, no (muito) bom sentido. Agora imaginem o que não farão as seguintes... Confiram aqui (courtesy of bolachas grátis.).

Mas como as boas notícia geralmente vêm aos pares, os TAAS vão andar em digressão com os Russian Circles, seus companheiros de editora (ambas as bandas com álbuns novos para promover), digressão essa que contará com duas datas em Portugal: dia 4 de Novembro em Lisboa, na ZdB (grande dia de anos!), e no dia seguinte no Porto, no Porto-Rio.

este estaminé está oficialmente reaberto

August 12, 2008

este estaminé encontra-se novamente encerrado para férias

Nos próximos dias irei estar por aqui...
Mas não volto a fechar as portas sem antes vos dar conta desta notícia, veiculada pelos camaradas do respeitável Stage Diving.

Até breve!

August 6, 2008

continuamos de férias, mas...

Por entre a chegada de uma primeira temporada de veraneio (o 'campo' já está despachado, agora só falta a 'praia') e a decisão entre uma eventual partida para uma segunda fase contra a opção de fazer uns dias de praia perto de casa, por aqui já se vão fazendo planos para o pós-férias.Descobri hoje este Sant Feliu Fest quase por acidente. Na verdade, andava à procura de mais datas europeias (e respectivas localizações) da tournée de Pelican e Torche.
Perante este cenário, apenas duas palavrinhas para vós: Bluetip e Hoover... Para aqueles que ouvem mal, eu passo a repetir: BLUETIP e HOOVER. Não esquecendo: THE LOCUST.

Meus amigos, isto seria a pupa da loucura! A Santíssima Trindade dos festivais: Primavera, Supersonic e Sant Feliu!

A vontade de ir é imensa - basta dizer que na minha hierarquiazinha das melhores bandas de todos os tempos, os Bluetip estão, para aí, em quarto lugar (varia com o tempo, mas actualmente a posição ocupada é esta). Mas, fazendo minhas as palavras do Mr. Jason Farrell (vocalista dos ditos), «"come, join us"... or don't. But I think it's don't»...
Pois é!... É que os bilhetes de avião para Barcelona nesta época do ano em qualquer low cost são estupidamente high cost! Daí a pertinência do apelo que se segue.

Necessitamos urgentemente de cerca de 400€ (foda-secaralhoputaquepariuqueatédói!!) para os voos, que o resto a malta amanha-se. Aceitam-se donativos em numerário, via transferência bancária ou para o meu PayPal. Prestam-se alguns serviços em troca (nada de favores sexuais que isto aqui é gente casta e de boas famílias), cuja natureza será decidida por acordo entre ambas as partes na altura da transacção.
Aceitam-se ainda patrocínios de qualquer ordem ou montante (de preferência, que sejam avultados), seja do estado, da imprensa especializada, dos meios de comunicação em geral, do BES ou dos ailerons Matias.
Em alternativa, se alguém estiver disposto a pegar num carro e conduzir cerca de 1500 km até à Costa Brava espanhola, teremos muito gosto em organizar uma excursão, com despesas partilhadas, e fornecer um motorista suplementar... Alguém?... Sim?... Não?... Talvez?... Vá lá!!

Pronto, se é assim, vou ali ouvir os meus discos de Bluetip, Hoover e Locust e chorar baba e ranho enquanto aguardo pela providência divina, que virá na forma de um telefonema da corte espanhola, dizendo-me que sou a última descendente, há muito perdida, de uma longa linhagem de príncipes e princesas da Catalunha e que, como tal, sou a única herdeira de uma vasta fortuna, que inclui também um jacto particular e um solar em Sant Feliu de Guíxols... O sonho comanda a vida, é o que eu vos digo!

De qualquer forma, há sempre Pelican e Torche em Roma a 3 de Outubro para afogar as mágoas...