no ninho dos açores

agora não, querido. é aquela altura do ano.


O drama!!... O horror!!... A tragédia!!... Podemos fugir, mas não nos podemos esconder, porque elas andam aí. São as temidas e irritantes listas de fim de ano, altura em que todo o gato-pingado que se acha com dois dedos de testa desata a deitar contas à vida, e se multiplica em listas do que de melhor ou pior se fez no ano que se presta a terminar. Neste em particular, a coisa atingiu proporções de tal forma monstruosas que até já há uma espécie de blogue dedicado exclusivamente ao assunto.

Mas não percamos mais tempo com considerações. Dediquemo-nos antes a examinar este apanhado de topes respeitantes ao universo musical que, nas últimas semanas, por aí se foram publicando. Amores e ódios de estimação à parte, valem o que valem - assim é quando se trata de uma coisa tão subjectiva/emotiva como o gosto musical.
E eu, que não sou nem mais nem menos gata-pingada que o resto do mundo, também por aqui terei as minhas listas. Mas uma vez que acredito piamente que a senhora gorda só canta depois da última badalada de 2011, tal só deverá acontecer lá para meados de Janeiro do próximo ano.

A imprensa
ALARM Press - 50 álbuns de 2011
BLITZ - Melhores álbuns internacionais (50º-26º, 25º-11º, 10º-1º), melhores álbuns nacionais (20º-11º, 10º-1º) e melhores discos de metal/hardcore de 2011
Clash - 40 álbuns de 2011
Decibel - 40 álbuns de 2011 (via Stereogum)
FACT magazine - 50 melhores álbuns e 50 melhores faixas de 2011
Gigwise - 50 álbuns de 2011
Ípsilon - Melhores discos de pop, melhores discos de clássica e melhores discos de jazz em 2011
Kerrang - 101 álbuns do ano (via Rocklist.net)
Les Inrocks - 100 melhores discos do ano
Magnet - 20 discos de 2011, tesouros escondidos, reedições, noise, electrónica, cantautores, jazz, hard rock, indie, world music, punk/hardcore, hip hop
MOJO - 50 álbuns de 2011 (via Stereogum)
NME - 50 álbuns e 10 singles de 2011 (via Stereogum)
Paste - 50 álbuns e 50 canções de 2011
Q - 50 álbuns de 2011 (via Stereogum)
Rock-a-Rolla - 50 álbuns de 2011 (via Discogs)
Rolling Stone - 50 álbuns e 10 singles de 2011 (via Stereogum)
SPIN - 50 álbuns, 20 álbuns de metal, 20 álbuns avant e 20 canções de 2011
Uncut - 50 álbuns de 2011 (via Stereogum)
The Wire - 50 discos do ano (via Year-End Lists)

Os blogues e afins
bodyspace.net - 30 discos internacionais e 10 discos nacionais de 2011
Brooklyn Vegan - The Year in Heavy (discos e concertos de 2011) e melhores discos de 2011
Consequence of Sound - 50 álbuns, 50 canções e 50 vídeos de 2011
Drowned in Sound - Melhores álbuns de 2011 (75-50, 49-21, 20-6, 5-1)
exclaim.ca - 14 discos de punk, 16 discos de folk e country, 16 discos de soul e world, 30 discos de pop e rock, 20 discos de dança e electrónica, 10 discos de improv e avant-garde, 16 discos de hip hop e 18 discos de metal de 2011
Invisible Oranges - Melhores álbuns de metal de 2011 (75-51, 50-41, 40-31, 30-21, 20-11, 10-1)
Pitchfork - Show No Mercy (40 discos de metal de 2011), videoclipes, 100 canções e 50 álbuns de 2011
Ponto Alternativo - Discos e canções do ano
Prefix - Melhores discos de 2011 (50-41, 40-31, 30-21, 20-11, 10-1)
The Quietus - 50 álbuns e 50 reedições e compilações de 2011
Stereogum - 40 novas bandas e 50 álbuns de 2011

Os músicos e amigos
Pelo bodyspace.net
Pelo Brooklyn Vegan (Pt. 1, Pt. 2, Pt. 3)
Pela Pitchfork
Pela Sub Pop

Posto isto, resta-me apenas desejar a todos os leitores e amigos do nAnha um excelso 2012!

title tk #21


Ancient Sky - "T.R.I.P.S." (10.01.2012, Loud Baby Sounds/Sons of Vesta)
Tracklist:
1. "Towards the Light"
2. "Wooden Ear"
3. "Snow in the Cemetery"
4. "T.R.I.P.S."
5. "All Colors at Once"
6. "Ray Bradbury"
7. "Oake Island"
8. "Time is an Ocean"
9. "The Wind"
Streaming
MySpace

Aidan Baker - "The Spectrum of Distraction" (17.01.2012, Robotic Empire)
Tracklist
Streaming
MySpace

Imbogodom - "And They Turned Not When They Went" (24.01.2012, Thrill Jockey)
Tracklist:
1. "Borogmog's Clock"
2. "Slate Grey Light"
3. "Etchum Buoy"
4. "Window Faces"
5. "Heir Looms"
6. "Welcome Away"
7. "Red Brick Roundhouse"
8. "The Passing Presence"
9. "Nuclear Wind"
10. "Here I Am, I Am Gone"
11. "Rubbings"
12. "Pillars of Ash"
MySpace

Nada Surf - "The Stars Are Indifferent to Astronomy" (24.01.2012, Barsuk)
Tracklist:
1. "Clear Eye Clouded Mind"
2. "Waiting for Something"
3. "When I Was Young"
4. "Jules and Jim"
5. "The Moon Is Calling"
6. "Teenage Dreams"
7. "Looking Through"
8. "Let the Fight Do the Fighting"
9. "No Snow on the Mountain"
10. "The Future"
MySpace

Errors - "Have Some Faith in Magic" (30.01.2012, Rock Action)
Tracklist:
1. "Tusk"
2. "Magna Encarta"

3. "Blank Media"

4. "Pleasure Palaces"

5. "The Knock"

6. "Canon"

7. "Earthscore"
8. "Cloud Chamber"

9. "Barton Spring"

10. "Holus Bolus"
MySpace

The Big Sleep - "Nature Experiments" (31.01.2012, Frenchkiss)
Tracklist:
1. "#1"

2. "Ace"

3. "Valentine"
4. "Ghosts in Bodies"

5. "Wood on the Water"

6. "Red Carpet"

7. "Ladders"
8. "Four Wishes"

9. "Meet Your Maker"

10. "1001"
MySpace

Lilacs & Champagne - "Lilacs & Champagne" (31.01.2012, Mexican Summer)
Tracklist:
1. "Everywhere, Everyone"
2. "Lilacs"

3. "Nice Man"
4. "Sensations"
5. "Battling the City"
6. "Corridors of Power II"

7. "King of Kings"

8. "Laid Fucking Back"

9. "Moroccan Handjob"

10. "Midnight Creeper"

11. "Listener X"
Facebook

Royal Baths - "Better Luck Next Life" (07.02.2012, Kanine)
Tracklist:
1. "Darling Divine"
2. "Burned"

3. "Faster, Harder"

4. "Be Afraid of Me"

5. "Nightmare Voodoo"

6. "Contempt"
7. "Black Sheep"
8. "Map of Heaven"
9. "Someone New"
MySpace

Earth - "Angels of Darkness, Demons of Light II" (14.02.2012, Southern Lord)
Tracklist:
1. "Sigil of Brass"

2. "His Teeth Did Brightly Shine"
3. "Multiplicity of Doors"
4. "The Corascene Dog"
5. "The Rakehell"
MySpace

Shearwater - "Animal Joy" (14.02.2012, Sub Pop)
Tracklist:
1. "Animal Life"

2. "Breaking the Yearlings"
3. "Dread Sovereign"

4. "You as You Were"

5. "Insolence"
6. "Immaculate"

7. "Open Your Houses (Basilisk)"

8. "Run the Banner Down"

9. "Pushing the River"

10. "Believing Makes It Easy"
11. "Star of the Age"
MySpace

Fucked Up - "Year of the Tiger" (21.02.2012, Matador)
Tracklist:
1. "Year of the Tiger"
2. "ONNO"
Blogue

Pallbearer - "Sorrow and Extinction" (21.02.2012, Profound Lore)
Tracklist:
1. "Foreigner"
2. "Devoid of Redemption"
3. "The Legend"
4. "An Offering of Grief"
5. "Given to the Grave"
MySpace

Pontiak - "Echo Ono" (21.02.2012, Thrill Jockey)
Tracklist:
1. "Lions of Least"
2. "The North Coast"
3. "Left With Lights"
4. "Across the Steppe"
5. "The Expanding Sky"
6. "Silver Shadow"
7. "Stay Out, What a Sight"
8. "Royal Colors"
9. "Panoptica"
MySpace

Witch Mountain - "South of Salem" (21.02.2012, Profound Lore)
Tracklist:
1. "Wing of the Lord"
2. "Plastic Cage"
3. "South Sugar"
4. "End Game"
5. "Hare's Stare"
6. "End Game (slight return)"
Streaming
MySpace

School of Seven Bells - "Ghostory" (28.02.2012, Vagrant)
Tracklist:
1. "The Night"
2. "Love Play"
3. "Lafaye"

4. "Low Times"
5. "Reappear"

6. "Show Me Love"

7. "Scavenger"

8. "White Wind"

9. "When You Sing"
MySpace

The Magnetic Fields - "Love at the Bottom of the Sea" (05.03.2012, Domino)
Tracklist:
1. "God Wants Us to Wait"

2. "Andrew in Drag"
3. "Your Girlfriend's Face"

4. "Born for Love"

5. "I’d Go Anywhere With Hugh"
6. "Infatuation (With Your Gyration) "
7. "The Only Boy in Town"

8. "The Machine in Your Hand"

9. "Goin' Back to the Country"

10. "I've Run Away to Join the Fairies"

11. "The Horrible Party"

12. "My Husband's Pied-a-Terre"

13. "I Don't Like Your Tone"

14. "Quick!"

15. "All She Cares About Is Mariachi"
MySpace

Bowerbirds - "The Clearing" (06.03.2012, Dead Oceans)
Tracklist:
1. "Tuck the Darkness In"

2. "In the Yard"

3. "Walk the Furrows"
4. "Stitch the Hem"

5. "This Year"

6. "Brave World"

7. "Hush"

8. "Overcome With Light"
9. "Sweet Moment"

10. "Death Wish"

11. "Now We Hurry On"
MySpace

Locrian & Mamiffer - "Bless Them That Curse You" (03.2012, Profound Lore/Daymare/SIGE/Utech/Land of Decay)
Tracklist:
1. "Bless Them That Curse You"

2. "In Fulminic Blaze"

3. "Corpus Luteum"

4. "Second Burial"

5. "Lechatelierite"

6. "Metis/Amaranthine/The Emperor"
MySpace Locrian
MySpace Mamiffer

The Shins - "Port of Morrow" (03.2012, Columbia/Aural Apothecary)
Tracklist:
1. "The Rifle's Spiral"
2. "Simple Song"
3. "It's Only Life"
4. "No Way Down"
5. "September"
6. "Bait and Switch"
7. "Fall of '82"

8. "For a Fool"
9. "40 Mark Strasse"

10. "Port of Morrow"
MySpace

como disse? mayhem no san miguel primavera sound?... dai graças pelo black metal (e o metal em geral) estar na moda.


Retiro tudo o que disse aqui há umas postas atrás. A organização do (San Miguel) Primavera Sound é a cambada de metalheads mais fofinha do Universo e arredores, e eu amo-os a todos do fundo do coração!... Ou melhor, amo-os, mas não amo muito aquela parte em que me fazem gastar quase 200€ por um bilhete. É um amor com algumas reservas, portanto.

Estava eu a dizer que a organização do San Miguel Primavera Sound é espetacular, pois este ano, à semelhança de outras edições de boa memória, está a percorrer aquela extra mile para oferecer ao melómano mais eclético e/ou apreciador de sonoridades mais extremas, produtos musicais da mais fina qualidade. Pois que é vê-los a desfazerem-se em confirmações de luxo. E de peso.
Ora observai o fausto que é o cartaz do festival catalão:

A$AP Rocky, A.A. Bondy, AraabMUZIK, Archers Of Loaf, Baxter Dury, Beach House, Björk, Buffy Sainte-Marie, Codeine, Death Cab For Cutie, Death In Vegas, Franz Ferdinand, Godflesh, Grimes, Harvey Milk, Jeff Mangum (Neutral Milk Hotel), Josh T. Pearson, Justice, Lisabö, Liturgy, Mayhem, Mazzy Star, Melvins, Mudhoney, Napalm Death, Neon Indian, Numbers showcase: Jackmaster, Oneman, Deadboy, Spencer, Redinho, OFF!, Orthodox, Other Lives, Sandro Perri, SBTRKT, Shellac, Siskiyou, Sleep, Spiritualized, The Afghan Whigs, The Dirty Three, The Drums, The Olivia Tremor Control, The xx, Veronica Falls, Washed Out, White Denim, Wilco, Wolves In The Throne Room, Yo La Tengo

Notem ainda que os nomes a bold, para além de serem, quanto a mim, os principais motivos de interesse nesta edição do SMPS, na sua larguíssima maioria não estão (e, muito provavelmente, não virão a estar) escalados para o congénere portuense do festival (façam o favor de comparar o supra com estoutro aqui). Assim sendo, a hipótese do Optimus Primavera Sound vir a revelar-se um parente pobre do original prefigura-se bastante plausível.

sinais do apocalipse #12

Será que os KTL e os Nadja também estavam incluídos no orçamento para as iluminações de Natal?
Fora de brincadeiras, isto até era coisa para se ter ido.




something to write home about #37


Os Ides of Gemini em sete pontos:
Sera Timms dos Black Math Horseman, uma das minhas gajas preferidas de todos os tempos...
J. Bennett, o gajo que escreve para a Decibel e que reaprendeu a tocar guitarra para formar uma banda com a namorada, porque o amor é lindo e faz-nos fazer destas coisas...
Kelly Johnston, uma designer e artista plástica, que também toca bateria...
Quatro litanias que arrastam os seus negros véus, mergulhadas em soturno psicadelismo...
Um EP com uma edição de autor que é um mimo, limitada e numerada...
Um LP de estreia a sair pela Neurot lá para a Primavera...
Um post-it faz logo um mundo de diferença (ainda que nos deixe com a impressão que geografia não será o forte do Bennett)...


Site oficial
Blogue
Bandcamp
Entrevista à Decibel

neurosis, festivais e cia. (ou os concertos de boa parte de 2011 em vídeo)



Para não fugir à temática dominante das últimas postas, fica aqui um resumo dos concertos que registei em vídeo desde a publicação dos Band of Horses.
Foram quase 10 meses bem recheados: 100 vídeos (se não falhei as contas), 46 bandas ou músicos a solo, 11 concertos em nome próprio, 4 festivais e 'O' concerto (Neurosis), que se iniciam com os Tyvek no Lounge em finais de Fevereiro, e só terminam com os Battles na Casa da Música aqui há uns dias.
A qualidade de imagem e som é a habitual - fraquinha! - mas como há quem continue a apreciar recordar as memórias de tempos que viveu (ou não) no Tubo, eu por aqui também as continuo a partilhar.

Eis então o apanhado:

Tyvek @ Lounge (25.02.2011)
(1) (2) (3)

Monotonix + Cangarra @ ZdB (27.02.2011)
Cangarra
Monotonix

Scott Kelly + Orthodox @ Santiago Alquimista (07.03.2011)
Orthodox
Scott Kelly (1) (2) (3) (4)

NoMeansNo @ ZdB (03.04.2011)
(1) (2) (3) (4)

Abe Vigoda + The Glockenwise @ ZdB (05.05.2011)
The Glockenwise (1) (2)
Abe Vigoda (1) (2) (3)

Alan Bishop & Richard Bishop - The Brothers Unconnected @ Auditório da ESBAL (07.05.2011)
(1) (2) (3) (4) (5)

Secret Chiefs 3 + FAT32 @ ZdB (27.06.2011)
FAT32
Secret Chiefs 3 (1) (2) (3) (4)

Festival Optimus Alive @ Passeio Marítimo de Algés (08.07.2011)
Fleet Foxes "White Winter Hymnal" + "Ragged Wood" (1/2) "Ragged Wood" (2/2) "Blue Ridge Mountains" "Helplessness Blues"
Grinderman "Honey Bee (Let's Fly to Mars)" "Bellringer Blues" "Love Bomb"

Neurosis + Karma to Burn @ Rockitchen, Madrid (22.07.2011)
Neurosis "A Season in the Sky" "Through Silver in Blood"

Out.Fest @ Pavilhão d'Os Ferroviários (08.10.2011)
Tropa Macaca
Stephen O'Malley (1/2) (2/2)
Oneida (1/2) (2/2)

Festival Supersonic @ The Custard Factory, Birmingham (21-23.10.2011)
Slabdragger
DJ Scotch Egg
Wolves in the Throne Room (1) (2) (3)
Alexander Tucker (1) (2) (3)
Zombi (1) (2)
Barn Owl (1/2) (2/2)
Fire! feat. Oren Ambarchi (1/2) (2/2)
Envy (1) (2)
White Hills
Turbonegro

Amplifest @ Hard Club (29 e 30.10.2011)
Cuzo
Sungrazer
Stearica
Rorcal & Solar Flare
Mugstar
Rise and Fall
Jesu (1) (2)
L'Enfance Rouge
Enablers (1) (2)
Dirge
Acid Mothers Temple
Godflesh (1) (2) (3)

Pink Mountaintops + Asimov @ ZdB (12.11.2011)
Asimov (1) (2)
Pink Mountaintops "The Gayest of Sunbeams" "Sweet '69" "Vampire" "Rock'n'roll Fantasy"

Ulver @ MusicBox (19.11.2011)
"Lost in Moments" "Darling Didn't We Kill You?" "For the Love of God" "Eos"

Mount Eerie + Nicholas Krgovich @ ZdB (20.11.2011)
Nicholas Krgovich (1) (2)
Mount Eerie (1) (2) (3) (4)

Battles + Suuns @ Casa da Música (03.12.2011)
Suuns (1) (2)
Battles "Dominican Fade" "Wall Street" + "Tonto" "Ice Cream" "Futura"

Aproveito também para avisar que, com a renovação aqui do pasquim, e por forma a arejar a coisa, tornando-a mais rápida e expedita, resolvi passar a postar menos vídeos, optando antes por este formato de links. Para quem ainda não reparou, há agora um link directo para o meu canal no Tubo ali no topo da página, onde diz 'Videoaçores'. Façam também favor de o utilizar. E de ser felizes, já agora.

vai ser uma luta renhida para concerto do ano de 2012


Foram preciso 20 anos. 20 anos para que a epifania que "Unsung" trouxe à minha vida fosse finalmente transposta para os palcos lusos. 20 anos para poder ver ao vivo uma banda de tal forma relevante, que, directa ou indirectamente, me fez descobrir ou interessar-me por cerca de 80% da música que oiço hoje.
Falo, justamente, dos Helmet, que se deslocarão aqui ao rectângulo para dois concertos comemorativos do 20º aniversário do incontornável "Meantime", em Lisboa (TMN ao Vivo, 5 de Março) e no Porto (Hard Club, 6 de Março), nos quais este marco da história da música será interpretado na íntegra - felizmente, ficam de parte os devaneios parvos pós-reunião. Para ser perfeito, perfeito, só faltava mesmo trazerem o Mengede, o Bogdan e o Stanier de volta.

#008


Apesar da ausência prolongada aqui do blogue, eu e o Sarras não estivemos propriamente parados. De há um ano a esta parte, mais coisa menos coisa, que também mandamos uns bitaites bimestrais na MUDA magazine, uma revista digital dedicada às artes.
O #008 da MUDA ainda vem quentinho do forno, e pode ser consultado online, gratuitamente, aqui. Poderão também consultar os números anteriores seguindo este link. Há ainda uma versão em DVD contendo uma fartura de extras, que pode ser adquirida por 3,50€ no site da revista (sujeita a portes de envio), ou nas lojas Flur, Louie Louie, Matéria Prima, Trem Azul e na livraria Ler Devagar.

primavera no porto: prós & contras

Por esta altura já não será novidade para ninguém que o festival catalão Primavera Sound terá um tomo português: o Optimus Primavera Sound, a decorrer na cidade do Porto entre 7 e 10 de Junho do próximo ano.
Como era expectável, ao cheiro da notícia, logo os indie-lusos pularam de alegria, imbuídos de orgulho pátrio (e musical). Eu cá, sendo naturalmente céptica, tenho algumas reservas, embora não possa também deixar de manifestar o meu contentamento relativo a certos aspectos da coisa. Esmiucemos pois os motivos da minha (des)crença, em formato fatimacamposferreiresco:

A localização - PRÓ. Um dos aspectos deste festival que me traz mais satisfação é, muito provavelmente, a sua localização. Não só porque eu sou pela descentralização, como também porque a Invicta não fica a dever nada à capital em termos de acessibilidades, transportes, infraestruturas, cultura, lazer, dinamismo e ambiente geral. Em alguns destes aspectos, é até perfeitamente lícito dizer que o Porto terá suplantado Lisboa. E não nos esqueçamos da projecção além-portas que o evento trará à cidade.

O cartaz - CONTRA (e um bocadinho PRÓ). Quando a esmola é muita, eu desconfio. Recordam-se daquela história de um tal SXSW que poderia vir a acontecer também no Porto, mas que, afinal, não passava de uma espécie de feira de tecnologia, e do qual nunca mais se ouviu falar?
Não será esse o caso nesta situação, já que a coisa vai mesmo para a frente e até já há um cartaz que vai somando nomes dia-sim-dia-sim. Trocando por miúdos, até à data temos o seguinte panorama:

Beach House, Björk, Codeine, Death Cab for Cutie, Explosions in the Sky, Jeff Mangum, Neon Indian, showcase da Numbers com Jackmaster, Oneman, Deadboy, Spencer e Redinho, Other Lives, Shellac (verdadeira surpresa. Estranho seria se os Shellac não tocassem num festival com a chancela Primavera Sound. Aguardem ainda as confirmações de Atlas Sound e/ou Deerhunter, e Animal Collective e/ou Panda Bear), Siskiyou, Spiritualized, The Dirty Three, The Drums, The Olivia Tremor Control, The Walkmen, The XX, Veronica Falls, Washed Out, Wilco, Yo La Tengo.

Nada de muito extraordinário ou entusiasmante, em minha modesta opinião. Analisando a oferta friamente, verificamos que, na sua larga maioria, se tratam de nomes que, ou já passaram pelo nosso país, ou, em qualquer outra situação, poderão perfeitamente vir a passar, a breve termo, por uma qualquer sala de espetáculos portuguesa. My point being, não seria necessário um Primavera Sound para os trazer cá. Curioso que ainda hoje se gabem de "risco" e "ecletismo" (vide dossier de imprensa), quando há muito que a organização do festival deixou de correr riscos com a contratação de propostas mais ousadas, optando antes pela uniformização/ padronização e pelos valores seguros.
Longe vão os tempos em que o Primavera apostava em nomes como Isis, Om, sunn 0))), Jesu, Boris, Black Math Horseman ou Moho, pautando-se agora, quase exclusivamente, pela batuta da pop e do rock independente. Ainda assim, este ano houve um sinal de esperança, com o anúncio dos Godflesh para o capítulo catalão do festival. Que, a par dos Archers Loaf e dos Mudhoney (por enquanto, também só em Barcelona), constituem, quanto a mim, as três propostas mais interessantes do actual cartaz. O que levanta outra questão. Será que o Optimus Primavera Sound guarda alguns ases na manga? Ou será antes que se vai fazer dos restos do congénere? Comparando os actuais cartazes, observa-se que há já alguns nomes a ficar pelo caminho. E mais questões se levantam. Será que também vamos ter por cá mais de 150 bandas? Ou será que este festival não passa de um parente pobre do original? Considerações aparte, darei o meu veredicto final quando estiver na posse de todas as informações. Isto é, ambos os cartazes completos. Porque, como diria o outro, prognósticos só depois do jogo.
Resumindo e concluíndo, tendo vindo a afastar-me progressivamente do critério estético e artístico seguido pela organização do Primavera Sound nos últimos anos, duvido que ainda me venham a supreender (leia-se, que me façam gastar dinheiro num bilhete). Não acredito em reviravoltas mirabolantes, mas estou aqui de peito feito, pronta para que me desmintam. Sejam quais forem os próximos desenvolvimentos, este festival não deixa de ser uma grande notícia para os indie-lusos que anseiem por uma batelada de concertos num curto espaço de tempo.

Os bilhetes - PRÓ (e um bocadinho CONTRA). Talvez se venha a revelar um parente pobre do original, mas a verdade é que este Optimus Primavera Sound é, sem sombra de dúvida, uma versão bem mais económica do San Miguel Primavera Sound. Com a troika a escarafunchar-nos o bolso, a malta agradece!
Convenha-se que as perspectivas não eram nada animadores, com o preço final do bilhete para a edição de 2011 do festival catalão a roçar perigosamente uns astronómicos 200€. Mas podemos finalmente respirar de alívio, agora que sabemos que, por cá, o bilhete custa, até 31 de Dezembro, 75€ + taxas (houve ainda uns 1000 bilhetes early bird a 65€, que esgotaram num ai), enquanto que, em Barcelona, este atinge amanhã a marca dos 170€ + taxas.
Por outro lado, o facto de me ter afastado da estética deste festival fez com que deixasse de confiar cegamente nestes senhores, a ponto de lhes pôr os meus tostões nas mãos sem um cartaz completo, muito menos ainda não havendo qualquer nome confirmado. Nesse prisma, os incrementos sucessivos no preço dos bilhetes são profundamente inconvenientes. (E aumentam até quanto?...)

Palcos? Quantos são?!... Venham eles! - CONTRA. Lá no sítio de onde eu venho, a matemática ainda é uma ciência exacta, sem espaço para libertinagens de escrita, e que nos diz, precisamente, que 4 ≠ 3. Assim sendo, não se percebe bem o que isto quererá dizer. Passo a citar:

«A programação sera [sic] distribuída por 4 palcos diferentes: o principal, que terá o nome da Optimus; o Palco All Tomorrow’s Parties (ATP), comissariado pela promotora britânica homónima, que dirige um palco no San Miguel Primavera Sound há já vários anos; e um outro palco dedicado à musica electronica, que receberá concertos e dj’s, alternando entre a música experimental e a música de dança.»

Em que é que ficamos, meus amigos? Das duas, uma: ou há um palco mistério, ou não sabeis contar. E a minha avózinha sempre me disse para não confiar em quem não saiba contar, pelo menos, até 10.
Vamos lá ver isso, sim?


Informem-se aqui e aqui e tirem as vossas próprias conclusões.

eh pá, pára tudo... concerto do ano!!...


Não, não será concerto do ano, apenas e só porque este foi o ano em que eu vi Neurosis ao vivo. (Ca estúpida!! Obviamente que vai se concerto do ano. De 2012!) Mas, foda-se! Kylesa, Circle Takes the Square e KEN mode é um bill do catano! (Então, Oaktree, ainda agora regressaste e já estás a recorrer a impropérios?... Pois é. O que é que se há-de fazer.)

Acontece a 18 de Janeiro no Porto (Hard Club) e a 19 em Lisboa (Santiago Alquimista). Ainda não se sabe nada relativamente a horas e preços, mas sabe-se que vai acontecer. E isso, meus amigos, é o que interessa.

este blogue ressuscitou (pela 4ª ou 9ª vez), a magnet também e os mastodon vão voltar a portugal (e não é num festival de verão)


Já dizia a minha avózinha que um milagre nunca vem só. Contrariando a sabedoria popular, que apregoa que as coisas boas vêm aos pares, neste caso chegaram em trio. Porque três é a conta que deus nosso sr. fez. Tudo a bater certo, portanto.

Milagre #1. Voltei, voltei. Voltei de lá. Ainda há um mês e picos estava em Birmingham, há quatro semanas estive no Porto (mais desenvolvimentos relativos a esses assuntos já de seguida), mas agora já estou cá. Mais uma vez, o nAnha está de volta e de cara lavada. O percurso tem sido acidentado, especialmente nestes últimos meses. Não direi que voltámos para ficar, já que a terra rebola neste tapete que é o universo e quem sabe se amanhã não estaremos virados de pernas para o ar no Outback australiano, a lutar pela vida contra uma taipan. Digo apenas que, pelo menos nos próximos tempos, estaremos por aqui de pedra e cal.
Os motivos para mais uma ausência prolongada são vários. Falta de tempo, falta de pachorra, uma tese de mestrado para fazer, pouco consumo de produtos musicais (coisa que tenho compensado largamente nas últimas semanas), pouco assunto de escrita, passei todos este meses a criar de raiz o código para este novo template (sim, sou espetacular!), o meu gato bebé roeu-me as folhas onde tinha rascunhado centenas e centenas de postas e foi tudo ao ar, a crise que o país atravessa e as medidas do novo governo deixaram-nos de tal forma traumatizados que perdemos temporariamente a faculdade da escrita. Alguns são factuais, outros são pura ficção, outros ainda são um misto de ambas (eu ser espetacular é obviamente verdade). Deixo ao vosso critério escolherem a vossa desculpa preferida.
Entrementes, passou-se mais um aniversário sobre a criação deste blogue. O quarto, pelas minhas contas (e também pelas contas de qualquer pessoa que se dê ao trabalho de olhar para a coluna aqui à direita). Mas uma vez que a coisa tem andado em banho-maria, não façamos grande alarde do acontecimento.
Para terminar este ponto, não poderia deixar de expressar publicamente o meu sincero agradecimento a todos os leitores que, ao longo destes meses, continuaram a deixar por aqui os seus comentários e que, invariavelmente, acabaram por ficar sem resposta. Sois os maiores! Eu é que sou uma bloguista desnaturada que não vos mereço! (Isto também vem provar que um blogue nunca morre realmente. Apenas vai arrastando o seu cadáver por estas redes virtuais.)

Milagre #2. Regressava eu a casa vinda de Birmingham, aliviadinha por ter conseguido escapar airosamente ao caos gerado pela destruição parcial de um aeroporto por um fenómeno metereológico bizarro (diz que se chama downburst), quando, por entre o molhinho de correio a receber, me deparo com o #81 da revista Magnet. Exultei de alegria, não só pelo renascimento em si, mas também porque isso significava que não iria ficar a arder com os nove números que faltavam à minha subscrição. Apesar do novo formato reduzido (ohhh!) e de terem acabado os samplers (ohhhhh!), não deixa de ser louvável que, numa altura em que o que mais se ouve por aí são toques de finados em muitas das capelinhas da imprensa musical escrita, ainda haja quem insista em remar contra a maré. Haja esperança!

Milagre #3. Até parece mentira. Eu própria ainda não estou em mim. Depois de 327 concertos em que a banda foi relegada para segundo plano, fosse em festivais de verão, fosse como mera banda de suporte, eis que finalmente vamos ter os Mastodon em nome próprio aqui pelo rectângulo, e com tudo aquilo a que eles (e nós) temos direito. O milagre acontece em data única, 22 de Janeiro, no Coliseu dos Recreios de Lisboa, e o ingresso para presenciar em primeira mão tão extraordinário fenómeno vale 29€. Porque isto de orquestrar um milagre não sai barato...

Outras novidades. Para quem ainda não sabe, os festivais de Verão já deram o que tinham a dar. Aliás, essa coisa toda, que os festivais de Verão é que são fixes, não passa de um mito urbano engendrado pelas mentes perversas dos papões capitalistas da MnC e da EiN, para vos sacar o subsídio de férias (essa coisa do passado). Agora, a next big thing são os festivais de Outubro. Se não me acreditam, reparem nas evidências: logo no início do mês tivemos o Out.Fest com cartaz de luxo, seguindo-se o Supersonic, que, ao que parece, se mudou de armas e bagagens para este mês tão bonito, bem como o novíssimo e excelso Amplifest. O que não deixa de fazer sentido. Uma vez que os meses de Outubro e Novembro são tradicionalmente férteis em concertos, porque não concentrar também a oferta festivaleira nesta época? Assim só ficamos falidos uma vez por ano graças à música, ao invés de duas.
Finalmente, gostaria ainda de vos avisar que agora sou do black metal. Isto porque, no espaço de pouco mais de um mês, o número de discos de black metal na minha colecção aumentou de uns modestos dois e meio, para uns ainda modestos, mas já mais ameaçadores, oito e meio. Mas é só cena da moda. Nada tr00, portanto. Que não se preocupem os puristas, que não têm em mim uma adversária à altura. Embora não diga que não a um belo de um corpse paint num próximo Carnaval.
E agora, se me dão licença, vou ali actualizar a agenda de concertos.

uma senhora trovoada.


Foram, quanto a mim, uma das revelações de 2010. Se ainda não sabem ao que me refiro quando falo de Royal Thunder, poderão escutar o glorioso EP homónimo de estreia na íntegra, que está disponível em streaming aqui.

por agora serve.


É sempre com um misto de devoção e receio que acolho qualquer notícia de um novo lançamento dos TV on the Radio. Se, por um lado, sei à partida que os discos da banda crescem com sucessivas audições, por outro lado temo o dia em que um disco de TVotR venha a deixar de crescer.
Foi por isso que - devo admitir, com alguma satisfação - ouvi "Will Do", o primeiro avanço para "Nine Types of Light", sucessor de "Dear Science", com data prevista de lançamento a 12 de Abril deste ano e selo da Interscope.
Não sendo nenhum "Young Liars", muito menos um "Staring at the Sun", "Will Do" deixa-me com uma impressão bem mais positiva que, por exemplo, "Golden Age". Mas como um single vale o que vale, aguardo calmamente para ouvir o resto do álbum.

TV On The Radio - "Will Do" by Interscope Records

cavalos não muito selvagens, mas fofinhos.

Mike Noga & The Gentlemen of Fortune ao vivo na Aula Magna (07.02.2011):

"All My Friends Are Alcoholics"

Band of Horses ao vivo na Aula Magna (07.02.2011):

"Islands on the Coast"


"The General Specific"


"Cigarettes, Wedding Bands"


"The Funeral"


"Is There a Ghost?"

title tk #20

Tenho andado tão a leste, mas tão a leste, que os pequenos hominídeos que habitam o meu universo paralelo ainda nem sequer aprenderam a dominar o fogo, quanto mais o gira-discos, o leitor de CDs ou a internet. Já para não falar do iPod...
E depois é isto que se vê. Toda a gente a lançar discos e nem sequer um telefonemazinho, um SMS ou um mísero email... Estúpidos...


Mogwai - "Hardcore Will Never Die, But You Will" (14.02.2011, Rock Action)
Tracklist:
1. "White Noise"
2. "Mexican Grand Prix"
3. "Rano Pano"
4. "Death Rays"
5. "San Pedro"
6. "Letters to the Metro"
7. "George Square Thatcher Death Party"
8. "How to Be a Werewolf"
9. "Too Raging to Cheers"
10. "You're Lionel Richie"
MySpace

Arbouretum - "The Gathering" (15.02.2011, Thrill Jockey)
Tracklist:
1. "The White Bird"
2. "When Delivery Comes"
3. "Destroying to Save"
4. "Highwayman"
5. "Waxing Crescents"
6. "The Empty Shell"
7. "Song of the Nile"
Streaming
MySpace

Bright Eyes - "The People's Key" (15.02.2011, Saddle Creek)
Tracklist:
1. "Firewall"
2. "Shell Games"
3. "Jejune Stars"
4. "Approximate Sunlight"
5. "Haile Selassie"
6. "A Machine Spiritual (In the People's Key)"
7. "Triple Spiral"
8. "Beginner's Mind"
9. "Ladder Song"
10. "One for You, One for Me"
Streaming
MySpace

Earth - "Angels of Darkness, Demons of Light 1" (22.02.2011, Southern Lord)
Tracklist:
1. "Old Black"
2. "Father Midnight"
3. "Descent to the Zenith"
4. "Hell's Winter"
5. "Angels of Darkness, Demons of Light 1"
Streaming
MySpace

Weedeater - "Jason... the Dragon" (01.03.2011, Southern Lord)
Tracklist:
1. "The Great Unfurling"
2. "Hammerhandle"
3. "Mancoon"
4. "Turkey Warlock"
5. "Jason... the Dragon"
6. "Palms and Opium"
7. "March of the Bipolar Bear"
8. "Long Gone"
9. "Homecoming"
10. "Whiskey Creek"
MySpace

Grails - "Deep Politics" (08.03.2011, Temporary Residence)
Tracklist:
1. "Future Primitive"
2. "All the Colors of the Dark"
3. "Corridors of Power"
4. "Deep Politics"
5. "Daughters Of Bilitis"
6. "Almost Grew My Hair"
7. "I Led Three Lives"
8. "Deep Snow"
MySpace

Parts & Labor - "Constant Future" (08.03.2011, Jagjaguwar)
Tracklist:
1. "Fake Names"
2. "Outnumbered"
3. "Constant Future"
4. "A Thousand Roads"
5. "Rest"
6. "Pure Annihilation"
7. "Skin and Bones"
8. "Echo Chamber"
9. "Without a Seed"
10. "Bright White"
11. "Hurricane"
12. "Never Changer"
MySpace

Mamiffer - "Mare Decendrii" (22.03.2011, Conspiracy)
Tracklist:
1. "As Freedom Rings"
2. "We Speak in the Dark"
3. "Blanket of Ash"
4. "Eating Our Bodies"
5. "Iron Water"
MySpace

Alexander Tucker - "Dorwytch" (12.04.2011, Thrill Jockey)
Tracklist:
1. "His Arm has Grown Long"
2. "Red String"
3. "Matter"
4. "Hose"
5. "Gods Creature"
6. "Half Vast"
7. "Pearl Relics"
8. "Atomized"
9. "Skeletor Blues"
10. "Dark Rift/Black Road"
11. "Sill"
12. "Mildew Stars"
13. "Jamie"
14. "Craters"
MySpace

Circle - "Infektio" (12.04.2011, Conspiracy)
Tracklist:
1. "Salvos"
2. "Maatunut"
3. "Peruuttamaton"
4. "Pisara"
5. "Saarnaaja"
6. "Kalpea"
MySpace

Young Widows - "In and Out of Youth and Lightness" (12.04.2011, Temporary Residence)
Tracklist:
1. "Young Rivers"
2. "Future Heart"
3. "In and Out of Lightness"
4. "Lean on the Ghost"
5. "The Muted Man"
6. "Right in the End"
7. "Miss Tambourine Wrist"
8. "White Golden Rings"
9. "In and Out of Youth"
MySpace

Liturgy - "Aesthethica" (10.05.2010, Thrill Jockey)
Tracklist:
1. "High Gold"
2. "True Will"
3. "Returner"
4. "Generation"
5. "Tragic Laurel"
6. "Sun of Light"
7. "Helix Skull"
8. "Glory Bronze"
9. "Veins of God"
10. "Red Crown"
11. "Glass Earth"
12. "Harmonia"
MySpace

Okkervil River - "I Am Very Far" (10.05.2011, Jagjaguwar)
MySpace

Zombi - "Escape Velocity" (10.05.2011, Relapse)
MySpace

prying open my third eye

Gabriel Ferrandini ao vivo na ZdB (30.01.2011):


Om ao vivo na ZdB (30.01.2011):




olá, somos os japanther!
temos um nome porreiro e somos a bandola mais fixe que tu já ouviste!
(20 janeiro, zdb)

Saímos p'la fresca para a first fruit of the season.
Virámos há dias um amuse bouche numa salita mal amanhada numa loja de um maniento qualquer, cortesia dos Les Profs de Skids, surf-rock via estância de esqui em Grenoble.
Mas esta noite há sopa-da-pedra!
O ar que hoje respiramos sabe a diferente, não sabe ao de sempre.
É um ar mais vinte-e-poucos-quero-é-bailar-à-parva e menos vinte-e-muitos-trinta-e-tais-e-morder-a-tua-sapatilha-trendy-e-o-teu-cabelito-cuidadosamente-descuidado-é-o-que-quero-mais!
Eu descobri há pouco os prazeres de um pente e do sapatinho brogue engraxadote do velhote, mas que bem me sabe uma fungada forte deste ar. Assim à bruta, sem filtro!



Subimos ao aquário e em menos que um ai já um big rider de ondas grandes, dos que cagam em campeonatos e reza a Fu Manchu, pisa o estrado.
Traz uma guitarra de dois ou três acordes amigada com a percussão sem pratos nem bombo da miúda de ar desleixado not fake e guizinhos cabrita-dos-montes nos pés, qual tree hugger de Yosemite.
Meia-bola e força nas cordas, vozes a mielas e pauladas certeiras direitinhas às ancas da putaria*.
É quanto basta aos Shellshag para arrancar um balanço mesmo nervoso aos quadris da vilanagem e ainda um mundo de boquitas escancaradas com deliciosos dentinhos Sensodyne erva-fresca a descoberto.









No buffet dos Japanther, o guisado não é assim tão diferente. É estrugido que também ferve em águas das torneiras de Brooklyn, e isto não é dizer pouco!
É guisado rico de noise-rock, pop-punk ou punk-pop, pipocas e hardcore, algodão-doce e hip-hop.
Isto p'la mão de um bateras que será o maior fã do Bart Simpson que conheces, a julgar p'lo rabisco de um Bart skater no antebraço emparelhado com uns quantos rabiscos mais, obra maior de um qualquer artista em ascenção lá na casa dos cinco anos. E pelo número incontável de vezes que grita o nome do herói amarelo num sotaque catalão de Beirute.
Tem um kit de bateria com as peças todas e o seu quê de Homer na barriga flácida tapando orgulhosamente as presilhas da calça.
O baixo é escancarado pelo primo afanado do Jay Reatard e de um Carles Puyol a alinhar a avançado, que os Japanther jogam ao ataque!
Há uma miúda nas tábuas num bailarico digno de um Van Damme no Kickboxer de '89, quando se finge pifo antes de desatar à bordoada nos bandidos. Ou de uma Amy Winehouse arriscando uns moves de hard ass. Eu cá ergo a muleta no ar, só numa de não me foderem o joelho vivo!
Mas que ganas de baile tenho!
Há uma flanela atirada ao Homer e um pronto: "You're fucked, motherfucker! This shirt is now mine!"
E trata de aconchegá-la lá para os lados do farmville, para que nem passe pelo miolo do puto pedi-la de volta. Há sorrisos daqui a Tóquio, cheira a macho e Anaïs Anaïs!
Aqui e agora, os putos são livres e a alegria contagia!
Esta merda não devia ter fim nunca, só para os miúdos não terem que pensar em mais uma borbulha no queixo, no que vestir amanhã ou em como dizer que gramam à brava este gajo ou aquela chavala.
Naaah! Estes putos não perdem tempo com trampa!
Estes putos são felizes!
Porque há dias em que isso até é fácil!


*putaria-miúdagem numa de bailarico selvagem

ano novo, chaparia nova, o blogue é que é o mesmo e por aqui continua a arrastar o seu cadáver


2010 foi uma merda. Não há forma delicada de o dizer. A coisa nem começou mal de todo, tinha acabado de sair de um projecto que me levava aos limiares da loucura dia-sim-dia-sim (e, consequentemente, tinha-me finalmente conseguido afastar de pessoas com as quais não desejo voltar a ter qualquer tipo de ligação académica e/ou profissional) e tinha iniciado um outro, com o qual estava sobremaneira entusiasmada. Mas quando me roubaram a carteira, com toda a minha vida lá dentro, no El Prat, regressava eu do Primavera Sound, devia ter logo desconfiado que este não iria ser um bom ano - pelo menos, o que dele faltava. E assim foi.
O novo projecto provou que afinal não era a oitava maravilha, os resultados não eram os esperados. Ou não eram os que desejávamos. Talvez tivéssemos sido demasido ambiciosos, mas agora que penso nisso a meses de distância, julgo que fomos apenas extremamente optimistas e confiantes numa espécie de milagre, que poderia ou não acontecer. O entusiasmo esmoreceu, mas o trabalho ia-se fazendo sempre com ânimo, uns dias com melhores resultados, outros com piores. As coisas iam-se aguentando.
E é então que chega o final de Novembro, e aquilo que eu chamo 'a minha série de acontecimentos desagradáveis', todos em estreia absoluta: o meu primeiro acidente de mota, a minha primeira viagem de ambulância, o meu primeiro osso partido, o meu primeiro internamento hospitalar, a minha primeira cirurgia, a minha primeira epidural e subsequente má trip (parto sem dor: não me apanham nessa!), a minha primeira "redução cruenta e osteossíntese com placa de neutralização e parafusos" e, para fechar o círculo, dias antes do Natal, recebo a notícia da morte de uma pessoa que me era querida, e que era muito nova, demasiadamente nova para nos deixar.
Portanto, para quem não tinha ouvido bem à primeira, 2010 foi uma real merda.

Posto isto, 2011 tem tudo para ser um bom ano. Quanto mais não seja, por comparação com o anterior. Será o ano em que, finalmente, irei terminar a tese de mestrado e este blogue irá voltar à glória de antigamente, em que irei (eventualmente) voltar a andar normalmente, em que o meu pé irá (eventualmente) deixar de inchar e desinchar como um balão insuflável, em que substituirei a minha linda carteira roubada por outra, ainda mais linda. Tem tudo para dar certo. Certo? Errado, ainda o ano mal tinha começado e já dois acontecimentos me tiravam o bom humor, acerca dos quais não me irei aqui alongar, pois já chega de recordar tristezas por hoje. E, seja como for, muita coisa acontece em 339 dias - muita e, espera-se, boa.

Fale-se então de coisas mais alegres. Da música que nos aquece a alma, por exemplo. Das poucas coisas boas de 2010. O tempo escasseou, mas dois meses em casa de pata no ar deram, ao menos, para recuperar muita da matéria perdida. Para os concertos sempre se arranjavam umas horinhas. Em breve publicarei por aqui algumas impressões relativas ao Supersonic e seguem-se links para os vídeos de alguns dos últimos concertos do ano:

Part Chimp @ O Meu Mercedes, 13.09: (1) (2) (3) (4)
Eels @ Coliseu dos Recreios, 19.09: (1) (2) (3) (4) (5)
Master Musicians of Bukkake @ ZdB, 17.10: (1) (2) (3) (4)
The Walkmen @ Coliseu dos Recreios, 14.11: (1) (2) (3) (4)
Torche + Men Eater @ Santiago Alquimista, 17.11: (1) (2) (3) (4) (5)
Fucked Up + Mr. Miyagi @ ZdB, 18.11: (1) (2) (3) (4) (5) (6)

O habitual round up do que de melhor se fez e aconteceu em termos de música durante 2010 surgirá nos primeiros dias de Fevereiro.

Quanto a 2011, já há discos e concertos sobre os quais conversar. Portanto, prometem-se postas bem mais animadas para breve, assim como - espera-se - uma maior regularidade no débito das mesmas.
 

© nos Açores não há açores. | template Modern Clix criado por Rodrigo Galindez | adaptado para o blogger por Introblogger | modificado por ms. oaktree