November 26, 2008

absurdidades pt. 2 (ou o meu emo é outro)

«(...) Bruno Vasconcelos Lima concluiu que os emos se emocionam com coisas consideradas banais por outros, como chorar a ouvir músicas sentimentais. “São encarados como depressivos, suicidas em potência e vistos, de forma geral, como homossexuais. São alvo de constantes preconceitos e opressões de outros grupos juvenis, como punks e skaters. É comum vermos emos do mesmo sexo a andar de mãos dadas, assim como a trocar beijos e carícias, demonstrando relações de carinho em locais de grande circulação de pessoas.” (...) A juntar a isto, há que considerar a forma como falam e comunicam entre si – usam diminutivos, substituem as palavras com ‘s’ por palavrax com ‘x’ e utilizam termos como ‘cutxiii’, ‘fofi’ ou ‘marida’.»
(Sou emo, e depois?” in Visão #820)

*Ms. Oaktree rebola no chão a rir.*

*Ms. Oaktree reflecte melhor acerca do artigo que acabou de ler, e sente uma profunda indignação ao pensar em bandas como Braid, Bob Tilton, Baby Harp Seal, Hoover, Schema, Rites of Spring, Cap'n Jazz, Split Lip, Ashes, Embrace... And the list goes on and on.*

*Ms. Oaktree acaba por sentir uma tristeza imensa, ao constatar que a juventude está realmente perdida.*

(Voz-off: A Ms. Oaktree está a ficar velha e sem pachorra para estas merdas.)