April 17, 2007

dj botassom

Uma das minhas brincadeiras de criança consistia em juntar uns quantos miúdos da minha idade em minha casa para gravar umas cassetes às quais chamávamos "Rádio Alentejo". Já não me recordo bem do porquê do nome, mas sei que tinha algo que ver com o facto de falarmos com pronúncia do Norte por acharmos piada e por julgarmos que também era assim que se falava no Alentejo (pronúncia do Alentejo do Norte, chamavamos-lhe nós).
Lembro-me que na época andávamos fascinados com as rádios piratas e amadoras que pululavam nas ondas hertzianas, daí querermos também ter uma rádio só nossa. O tal velho desejo ardente, tão típico da infância, de emular os nossos heróis.
Ainda gravámos umas quantas cassetes (que entretanto devem ter tido o destino de todas as recordações já esquecidas - é pena) com horas e horas de patacoadas, graçolas e diálogos infanto-imbecis - pequenas pérolas da converseta infantil - intercaladas com algumas das músicas que ouvíamos na altura.
Isto era eu há mais de 15 anos atrás. Isto foi o primeiro indício que a carreira como locutora de rádio não era uma hipótese a ponderar.

Este Sábado, às 17h na Radar vou usurpar a alguém o sonho dos tais 15 minutos de fama (radiofónica), sonho esse que eu própria nunca tive, e vou passar 1 hora da melhor música feita por mãos e vozes humanas.
A experiência da gravação foi aterradora, especialmente porque foi algo que eu nunca desejei na realidade, porque acho que a música fala por si própria sem qualquer necessidade de introduções, explanações ou complicações.
Julgo que um locutor numa rádio que seja essencialmente musical é a peça obsoleta de um puzzle que já está completo. A peça a mais, aquela que já não encaixa em lado nenhum. O defeito de fábrica.
"Mais vais ter que falar entre as músicas e temos também que gravar o ID". E lá fui eu fazer mais umas figuras tristes, dizer mais umas quantas barbaridades, ainda por cima contra os meus princípios.
E isto foi a confirmação que a carreira como locutora de rádio não era, de todo, uma hipótese viável.